FIM DOS TEMPOS: UM ENIGMA DESNECESSÁRIO

01.10.2019

 

FIM DOS TEMPOS: UM ENIGMA DESNECESSÁRIO
 

Quem ainda não se tornou capaz de perceber como o chão tem oscilado terrivelmente sob os pés da humanidade! Nunca, em todos os tempos, as pretensas verdades estabelecidas nos mais variados assuntos e campos foram tão questionadas pelas evidências.

 

Para onde quer que se olhe, só é possível reconhecer um desmoronar de toda espécie, repetida instabilidade, dúvidas, insegurança e... medo. E desse estranho estado das coisas, elevam-se quase sempre novas ondas de revolta e incompreensão, nas quais ideias surgem e se dissipam, num contínuo rivalizar e desmoronar.

 

E como se não fosse suficientemente claro o sinal de alerta e desequilíbrio que traduz esse cenário de caos, a humanidade insiste em permanecer na ignorância em relação ao fato de que algo muito grande e único está se passando; um fenômeno jamais ocorrido em toda a história e evolução da humanidade.

 

Em muitos que ainda ousam ouvir seu íntimo surge, sim, por vezes uma intuição sobre isso, um pressentimento angustiante e inexplicável de que algo muito diferente se passa nos dias atuais. Mas mesmo isso, via de regra, não auxilia em nada, pois a maior parte das buscas se perde em direções confusas e conflitantes. Infelizmente. As respostas apresentadas parecem se truncar em incompreensões milenares, interpretações confusas e rígidas, inexplicáveis e dogmáticas, ou também fantasiosamente místicas, que dificultam o reconhecimento de um caminho seguro a se seguir. As alterações e deturpações feitas pelos próprios seres humanos na pura doutrina de Cristo, e também nas muitas mensagens provenientes da Luz, que anteriormente tentaram trazer a Luz da Verdade para esta Terra, mas que nunca foram seriamente ouvidas pela maior parte das pessoas, completam o triste quadro, no qual o ser humano parece caminhar sozinho, na busca errante por algum sentido para sua própria existência.

 

Os graves acontecimentos em todos os campos da atuação humana, toda a dor e sofrimento que permeia a vida atual, nada mais são do que o retorno cármico para a humanidade desta Terra, emoldurado com incompreensão, maldade, ódio, mentira e materialismo crasso. Nunca a falta de amor ao próximo se evidenciou com tamanha nitidez.

 

Se começarmos pela tentativa de compreensão correta do grande fenômeno em curso, denominado Juízo Final ou Fim dos Tempos, cujo conceito ainda permanece transfigurado, nos deparamos igualmente com a ausência de clareza ou consenso.

 

Não são necessários enigmas em relação ao Juízo, que se debruça sobre o mundo com intensidade cada vez maior. Trata-se de uma consequência natural do processo de evolução espiritual da humanidade, que escolheu seguir por outros caminhos que não os preconizados pelo seu Criador. Ao longo de sucessivas encarnações, as criaturas humanas deveriam ter amadurecido e aprendido a conviver em paz e harmonia, cultivando a beleza por toda parte, preenchidas de genuína alegria de viver. Isso, evidentemente, não aconteceu. Bem ao contrário. Elas sobrecarregaram seu caminho com horrores de todo tipo. Não há paz entre os povos, nas famílias, empresas, grupos e dentro do próprio indivíduo. De nada adianta salvaguardar-se com pretensa riqueza ou sensação de segurança, a instabilidade parece chegar a todos os cantos do mundo e da alma.

 

Mas qual o sentido de tudo isso? Meramente apavorar os seres humanos terrenos, que agora se veem afundados em contínuo caos? Não, nada disso. Esses acontecimentos todos possuem, enfim, um objetivo ainda maior: através da dor e do desespero, eles podem ser o último recurso para despertar as almas em direção ao reconhecimento do que está errado, do que é correto e verdadeiro e, finalmente, à busca pela Verdade em meio ao atual mar de incompreensão.

 

A expressão Fim dos Tempos possui um sentido mais amplo, mas que também aponta para o fato de que o tempo para o amadurecimento da humanidade nesta Terra findou. Madura, ela agora deveria viver de acordo com a Verdade na Terra e, concluído o período de encarnações terrenas, seguir seu curso em direção a regiões espirituais sempre mais luminosas, pois assim foi determinado, avisado e também largamente profetizado, inclusive nas mais diversas religiões.

 

“O reconhecimento da Verdade equivale ao reconhecimento das conexões dos fenômenos da Criação, é o único milagre que ainda poderá salvar muitas criaturas humanas… poderá salvar… Saber a verdade de todas as coisas é hoje decisivo para o destino.”

(Roselis von Sass - O Livro do Juízo Final)

 

Breno Castro
 

 



 

Please reload

Posts Recentes
Please reload